Como tudo começou: Carol e Abrahão

0
Mãe de Adolescente

Como Tudo Começou é uma editoria do Lógica Feminina que criamos para contar histórias de casais.

Quer  nos contar Como Tudo Começou entre você e seu mozão, mande-nos sua história, fotos e redes sociais na nossa página de Contato

A Carol nos enviou sua história de Como Tudo Começou entre ela e o Abrahão. Vem ler e ser inspirar também!

Sabe vida amorosa complicada e cheia de rolos e relações tóxicas? Então! Era a minha. Prestes a fazer 35, estava de novo numa fase “saco cheio”. Daquelas que você jura que não quer mais saber de homem, namoro, beijo na boca… até o próximo cafajeste. Só que dessa vez estava diferente. Depois de quebrar tanto minha pobre cara e meu coração judiado, eu só queria sossego. Com ou sem alguém.

como tudo começou

Abril de 2014. Era sexta feira santa e eu passei a tarde no aniversário de uma de minhas melhores amigas. À noite, fui a um bar de rock curtir um blues com outra amiga solteira e super na vibe de paquerar. Eu não, eu só estava afim de curtir o show.

Até que ELE entrou no bar, bem na hora que eu estava olhando pra porta, balançando a cabecinha no ritmo da música. Ele e seus 1,90 m de moço bonito, passando a mão pelos cabelos até os ombros, forte, bração, pernão, bocão, olhinho pequeno, testa franzida, com aquela cara dele de Heath Ledger em Dez Coisas Que Eu Odeio Em Você, sabe qual? Jeans, botinha detonada, camiseta desbotada, resumindo: meu número. Não teve jeito. Todas as minhas convicções caíram ali mesmo e eu fiquei a noite toda vidrada na imagem dele rindo, conversando com as pessoas, tocando AIR GUITAR (guitarra imaginária) na frente do palco. Cada movimento dele me fazia achá-lo ainda mais bonito. Eu tentava ficar por perto, mas nada de ele me enxergar. Assim como eu, ele não estava “caçando”. Estava ali pela música. Vi que ele estava na dele e não me via, então desisti. Voltei pra minha mesa e vida que segue.

como tudo começouIntervalo da banda, eu e minha amiga descemos pra frente do bar, onde fica a área de fumantes (eu não fumo, só passeio pelo ar livre e volto pro bar) e encontrei um conhecido q ficou conversando comigo. Até que um carinha me reconheceu e perguntou se eu era a Carol Viana (sou cantora, então de vez em quando isso rola, rs). Me virei pra responder e vi que o moço bonito estava atrás desse carinha. Respondi meio automaticamente, de olho no moço e quando ele passou na minha frente eu não pensei muito. O que aconteceu foi totalmente espontâneo, totalmente eu mesma, nada programado ou forçado.

Estiquei meu braço, apontei pra ele e disse: ‘ Você!” . Ele me olhou com uma cara de “ Whaaaaaat?” sorrindo e eu completei: “ Você tem que me dar aula de air guitar porque você é muito bom nisso!”. Ele balançou a cabeça sorrindo e já ia se virar pra sair mas voltou. Depois ele me contou que nessa hora ele reagiu diferente do que reage normalmente. Disse que pensou: “Que maluca! Mas ela é linda e parece ser gente boa, vou ficar aqui conversando. Gostei!”. Soltou um “Olá” e perguntou se era sério aquilo. Eu fiz que sim com a cabeça e perguntei o nome dele. “ Abrahão”. Olhei pro céu com cara de ponto de interrogação, lembrei que já era véspera de Páscoa e soltei um: “ E aí, Deus? Esfregando a Bíblia na minha cara mesmo?”. Ele riu e disse q esse era mesmo o nome dele e eu devo ter feito uma cara muito engraçada porque ele riu mais ainda. Pronto! Daí pra frente não paramos mais de conversar, desviando da fumaça alheia, rindo muito e interagindo com as outras pessoas ali.

A banda voltou a tocar e ele me chamou pra subir de novo pro bar porque tinha pedido uma música específica. Subiu a escada na minha frente e eu pensei que não ia rolar. Conforme íamos nos aproximando do palco e indo mais pra perto de onde estava cheio de gente ele segurou a minha mão. Meu coração deu um pulinho! Ficamos na frente do palco, ele me “ensinando” a tocar guitarra imaginária, brincando com a tatuagem do meu antebraço. Ele se afastou alguns centímetros e quando começou a tocar a música que ele tinha pedido pro cantor ele esticou o braço, me puxou pela cintura e me deu O beijo.

como tudo começouEu fiquei encantada e ao mesmo tempo observando como ele iria agir após o beijo bem embaixo dos holofotes do palco. Ficamos abraçados e de mãos dadas fazendo carinho. Nesse momento eu nem imaginava que só nos despediríamos às quatro da tarde do dia seguinte. Era o dia do show de despedida da banda que eu cantava e eu estava exausta, mas valeu a pena. Conversamos demais e sobre tudo e a partir daqui, quando conto perto dele ele fala pra parar…rs. É aquela parte dos detalhes que são só nossos. Ele pediu meu telefone que estava sem bateria e não salvou o número dele quando eu o liguei pra carregar. Murchei. Pensei que tudo ia acabar ali se ele não me ligasse, porque eu fiquei sem nenhum contato dele. Pensei que não o veria mais.

como tudo começouDomingo de Páscoa de 2014. Passei o dia dormindo pra me recuperar do show, acordei no fim da tarde e recebi mensagem no whatsapp com número diferente e sem foto. Como eu era a desconfiança em pessoa e o número dele não ficou salvo na minha agenda, eu fui conversando até ele falar que era ele. Mesmo assim sem foto! Era ele… o cara que não gosta de fotos, nem de redes sociais, não tem perfil no face, nem instagram, nem twitter. Era ele. Aquele cara engraçado, quieto, reservado, que anda sozinho mas interage com todos, nove anos mais novo que eu e me chamou pra jantar com ele da forma mais despretensiosa do mundo, como se já nos conhecêssemos há anos. E me levou um bombom de chocolate desejando Feliz Páscoa sentados no banco da pracinha. Não fizemos planos, mas desde de então nunca mais nos separamos. Vamos completar um ano e meio juntos e eu aprendo com ele a cada dia.
Todas as neuras que já tive nessa vida foram sendo quebradas uma a uma. Se dissolviam a cada novo encontro, a cada novo fim de semana juntos e a cada vez que eu percebia que ele fazia parte do meu dia a dia e eu do dele. Tudo foi fluindo com muita paciência e amor. Parceiro, companheiro, aquele amor com sabor de fruta mordida, sem ciúme, com confiança, sem sufocar, uma presença que traz paz. Hoje posso dizer que tenho a sorte de um amor tranquilo e eu espero que do nosso jeito, nós nos façamos tanto bem que quando nos dermos conta, já durou pra sempre. Regado a muito blues e risadas.

Quer  nos contar como tudo começou entre você e seu mozão, mande-nos sua história, fotos e redes sociais na nossa página de Contato

Romântica, mas de um jeito nada romântico. Escrever é como construir uma colcha de retalhos: vou juntando pedaços de histórias, sentimentos e pensamentos meus, seus, de outras pessoas. E a cada vez que você me lê, me cita e me compartilha, enche meu coração de alegria e mostra para alguém um pouco mais de você, de mim e, claro, dela mesma.

Amo escrever, mas amo mais ainda ser lida. ♥

Comentários

comentários

Comments are closed.