Pesquisa mostra que 100% das mulheres gamers já sofreram assédio

0

A Universidade Estadual de Ohio, desenvolveu um questionário digital para que as jogadoras relatassem suas experiências, todas as 293 mulheres que responderam ao questionário afirmaram jogar durante pelo menos 22 horas semanais e relataram já ter sofrido assédio.

Embora  a pesquisa englobe um universo pequeno e tenha sido aplicada a um público específico, os resultados assustadores expõem uma realidade antiga e amplamente conhecida por nós, mulheres gamers.

Homens e mulheres costumam ser assediados diariamente em comunidades gamers online, os chamados haters estão por toda parte e todos nós temos de lidar com eles de tempos em tempos, no entanto o tipo de assédio que as mulheres sofrem é diferente e muito mais grave: entre as principais ofensas e agressões estão ameaças de estupro, insultos físicos, insultos sexistas, pedidos de favores sexuais em troca de ajuda no jogo e o stalking – quando um jogador descobre a identidade real da jogadora e passa a persegui-la nas suas redes sociais pessoais.

Segundo os pesquisadores, que ainda pretendem ampliar seu estudo, os resultados desse assédio sexual nos jogos online é que as mulheres acabam por se afastar dos jogos e em muitos casos passam a se questionar com relação a sua própria identidade como relatou uma das jogadoras entrevistadas:

“Sou mesmo tudo isso que ele disse? Aí fico de frente para o espelho e começo a achar que pode ser verdade”

Jesse Fox e Wai Yen Tang, os responsáveis pela pesquisa informaram ainda que uma grande parcela das jogadoras relatou sintomas depressivos por causa das agressões que sofrem enquanto estão jogando. E não é pra menos. Quando a Revista Galileu publicou a matéria sobre o assunto em sua  página do Facebook, imediatamente recebeu uma enxurrada de comentários questionando a habilidade, as intenções e, inclusive, os direitos das mulheres nas comunidades online. Comportamento típico da comunidade gamer tóxica e retrógrada que enfrentamos nos jogos todos os dias.

“A raça humana é degradante, cruel e violenta, aceita! Vai ficar chorando na Internet? Sendo que a maioria das vezes não acontece nada?”, diz um deles. “Mulher tem que cozinhar, limpar a casa e cuidar de crianças; não jogar videogame“, comenta outro usuário.

Comentários e reações desse tipo  mostram como a comunidade de jogadores se comporta quando as mulheres gamers começam a lutar pelos seus direitos e o quanto é difícil para nós lidar e até dialogar com tais indivíduos.

A pergunta que não quer calar é: se todas as mulheres que jogam online já sofreram assédio, como é que as desenvolvedoras desses jogos lidam com o problema no dia a dia? Mulheres são um público consumidor de jogos tanto quanto homens e no mínimo, sua presença em comunidades online, redes sociais, grupos de discussão de jogos e fóruns deve ser preservada assim como a manutenção ao respeito e a igualdade de gêneros deveria ser prioridade para quem trabalha nessas comunidades.

Argumentos como “é assim mesmo” e “quanto mimimi” são simplesmente inválidos e partem de indivíduos cujo desejo é o de que as comunidades tóxicas e ofensivas continuem as mesmas e que a opressão a minorias nesses ambientes permaneça como uma incessante fonte de diversão (obviamente, só para quem a pratica). Muitos desses indivíduos tem nas ofensas que proferem em jogos e comunidades uma verdadeira válvula de escape e com isso perdem de vista os verdadeiros objetivos dos jogos como um todo: a diversão.

Para mudar este cenário é preciso que os gestores de comunidades, desenvolvedoras de jogos e que os próprios jogadores passem a repudiar e a denunciar esse tipo de comportamento nocivo para todos os envolvidos. É preciso facilitar o envio de denuncias e que a punição seja aplicada de maneira justa, rápida e eficiente. Por fim deixo aqui um apelo: seja você, caro leitor, homem ou mulher, se você presenciar uma cena de assédio, seja em um jogo, fórum ou rede social, lembre-se de que o seu silêncio também perpetua a agressão.

Juntos podemos tornar o ambiente de jogos online mais amigável para todos e com isso, todos nós jogadores só temos a ganhar. 😉

Social media, publicitária, jogadora, leitora, apaixonada por cachorros, séries, vinhos, piratas e dragões. Host do Hitbox News Update e Community Ambassador na @hitboxlive, @hitboxlivebr e @hitboxliveLA. Quer saber mais? Me segue no Twitter: @NinaLoneWolf.
Mãe de Adolescente

Comentários

comentários

Comments are closed.