Toda mulher é insegura, até as bem resolvidas

0

Toda mulher é insegura. Em maior ou menor grau, pra um ou outro assunto…

E arrisco dizer que a maioria das que se fazem de super seguras o tempo todo são, geralmente, as mais inseguras. São tão inseguras que são incapazes de assumir inseguranças…

“Mulheres… Sempre tão mulheres… Seus truques e confusões…”

Eu, enquanto mulher, sei bem que somos complicadas. Tanto que nem nós mesmas nos entendemos. Nem entre nós, nem a si mesma.

Tantas vezes, cheia de mim, me enchi de razão pra afirmar que mulher tem que ser segura de si, tem que saber o que quer, etc.

Até que um dia percebi que isso é uma das piores asneiras que se possa afirmar.

Quando parei para perceber, era justamente por insegurança que eu dizia isso. Era tentando me sobressair, me autoafirmar que tanto reforçada essa imagem de bem resolvida, que estava sempre segura e certa de como agir.

Hoje percebo que esta insegurança não é nenhum defeito, pecado e muito menos crime e que isso só me torna ainda mais interessante e humana e o que realmente faz diferença, é a forma como lido com essa insegurança, com meus medos e receios. Se eu os assumo como parte de mim e, por consequência, aprendo a administrá-los, domá-los ou se eu continuo negando-os a qualquer custo, para fingir que não os possuo, para não demonstrar minhas supostas fraquezas que inevitavelmente todos temos.

toda mulher é inseguraTudo bem se sinto medo de perder alguém, se me equivoco em minhas considerações. Tudo bem voltar atrás e mudar de ideia, tudo bem me sentir inferior, tudo bem me sentir mal por estar acima do peso que eu considero ideal para mim. Tudo bem dizer isso sobre abertamente, mesmo que muitas pessoas venham a me condenar, por acharem que preciso ser sempre segura, ter sempre certezas.

Sou uma mulher insegura, cheia de medos e vergonhas: não gosto de mostrar minhas manchas, minhas pelancas e rugas, mas me sinto no dever de encarar minha realidade, buscar o que se possa fazer para melhorar o que não considero bom, mas sem precisar negar que o que sou: humana.

 

Aprendi a ser forte, na medida em que sou capaz de assumir minhas fraquezas. Aprendi que nem sempre preciso ser segura, decidida ou ter certeza e aprendi a aceitar que ser insegura faz parte de mim.

No fim das contas, fica fácil entender que toda mulher é insegura e que isso não é um defeito, nem ao menos é algo ruim… É apenas algo que somos.

[Publicação original 04 de Agosto de 2015]

Romântica, mas de um jeito nada romântico. Escrever é como construir uma colcha de retalhos: vou juntando pedaços de histórias, sentimentos e pensamentos meus, seus, de outras pessoas. E a cada vez que você me lê, me cita e me compartilha, enche meu coração de alegria e mostra para alguém um pouco mais de você, de mim e, claro, dela mesma.

Amo escrever, mas amo mais ainda ser lida. ♥

Mãe de Adolescente

Comentários

comentários

Comments are closed.