Ingrid Petersen

São 50 primaveras comprimidas num pacote de 21, tudo muito intenso. Dizem que eu penso demais, e se realmente soubessem, continuariam dizendo. Escrevo com o coração, para organizar as ideias e os sentimentos. Vez sim e outra também com a pretensão de tocar o coração de alguém. Uso a arte como forma de sublimar as dores da alma, por isso acredito que a dor deva ser sentida. Muito embora eu ainda esteja aprendendo a parar de evitá-la. Acredito no poder dos pequenos impactos, e no divino que nos conecta para grandes reverberações. Uma manifestação do Amor.

Agora eu quero ir

Agora eu quero ir

menos de 1 minuto Antes de começar, clique aqui  e dê play para ouvir enquanto lê. Esta é a primeira vez que lhe escrevo assim, dessa forma. Cá estou, em um dos momentos mais repletos de mudanças em minha vida, sentada à uma mesa qualquer em uma praça de alimentação, numa tentativa de sintetizar em poucas palavras esse turbilhão que não tem se contentado com o espaço aqui de dentro. Você sabe, sempre lidei bem com a mudança. Sempre fui flexível, adaptável. Mas quando se Continue lendo